sexta-feira, 3 de junho de 2011

Juízes querem qualidade de vida e não metas

A Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) encomendou uma pesquisa à Universidade Federal de Minas Gerais e ficou alarmada com o resultado.

Dos 706 juízes do trabalho ouvidos, 84% afirmaram levar processos para casa, 70% disseram trabalhar nos finais de semana e 64% nas férias. O que parece ser uma realidade comum de boa parte da população, para a Anamatra é decorrente das metas impostas pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Ainda segundo a pesquisa, 41,5% dos magistrados declararam sofrer de depressão, 17,5% usam medicamentos controlados, 26% estão acima do peso e 24% são obesos.

"Não dá para trabalhar em regime de metas diante desse resultado", afirmou o presidente da entidade, que completou: "isso causa ansiedade e pode desencadear desconforto emocional". Agora só falta a OAB fazer uma pesquisa semelhante com advogados e pedir que os prazos processuais sejam mais elásticos.
_____
Confira a reportagem de Valor Econômico de 26/5 (clipping do Ministério do Planejamento).

Um comentário:

Carlo Giovanni Lapolli disse...

Tem gente que adora misturar as coisas. Há nesse balaio de gato de tudo. Todas as profissões tem profissionais estressados, obesos, alcoólatras, e até loucos.

Isso não implica em deixar de lado a gestão e o cumprimento das metas propostas. Aliás, esta foi a grande evolução do Judiciário no passado recente.

Hoje se "mede" a eficiência dos juízes e tribunais e em decorrência se pode saber onde chegar (metas).

O lobby corporativo não pode acabar com este avanço, se há casos de depressão, obesidade, que se trate cada caso como único. O que não pode é retroagir para jogar fora uma conquista da sociedade.

Carlo Giovanni Lapolli
Advogado